Imprensa das Cidades Livres

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Imprensa das Cidades Livres

Mensagem  Liga das Cidades Livres em Dom Out 06, 2013 5:13 pm

Para variar, haverão aqui 5 jornais, representando cada comunidade linguística da LCL:

- Die Lübecker Zeitung - o mais antigo e mais prestigiado jornal em alemão, normalmente imparcial.

- De Garenmarkter Handelsblad - jornal flamengo abertamente regionalista e conservador

- The Guardian - principal jornal de Norssex, liberal

- De Daglishes Harrold - principal jornal boganês, conservador e de esquerda

- Altrum Mare - jornal mais popular nas colónias, publicando em alemão, inglês e holandês

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Imprensa das Cidades Livres

Mensagem  Liga das Cidades Livres em Dom Out 06, 2013 6:04 pm


Die Lübecker Zeitung

seit 1778, die besten Nachrichten im Freie Städte Bund!


Koalition 'freien Städte, gleichen Städte' erreicht historischen Sieg bei der Bürgertagswahl und bereitet sich auf eine Verfassungsreform fordern
Coligação 'Cidades Livres, Cidades Iguais' Consegue Vitória Histórica nas Eleições para a Câmara dos Cidadãos e Prepara-se para Exigir a Reforma Constitucional

Handelsburg

Neste Domingo, foi atingido um resultado histórico na Câmara dos Cidadãos – uma coligação de vários partidos pró-reforma constitucional obteve 69% dos votos, ganhando o poder de, segundo a Lei Fundamental da Liga das Cidades Livres, obrigar o Conselho dos Burgomestres a deliberar sobre a tão ansiada Reforma Constitucional.

A Coligação ‘Cidades Livres, Cidades Iguais’, liderada pelo flamengo Stijn van de Voorde, juntou partidos de expressão geral, como o Partido Social-Democrata da Liga das Cidades Livres e o Partido Liberal-Democrata, bem como diversos partidos regionais ou mesmo restritos a uma cidade. No total, juntamente com o PSDLCL e o PLD, fazem ainda parte desta coligação o Vlaams Volksunie (União do Povo Flamengo, democrata-cristão), o Norssexer Interest Party (Partido do Interesse Norssexiano, liberal), o Boganishes Befrëeing Partë (Partido da Libertação de Boganhem, conservador), o Boganishes Sotsial-Natsional Union (União Social-Nacional Boganesa) e o Übersee Partei/Overzeese Parti/Overseas Party (Partido Ultramarino, pró-direitos das províncias ultramarinas). Juntos, conseguiram remeter o até recentemente partido dominante, o Freien Bürgern Bund (Aliança dos Cidadãos Livres, centro-direita e conservador), que, apesar da expressão nacional, é conhecido por ser o veículo político da elite germanófona concentrada nas cidades de Handelsburg, Lübeck, Osnabrück e Flensburg. O FBB só conseguiu cerca de 25% dos votos, tendo os outros 26% sido partilhados pelo Partido Comunista das Cidades Livres (10%), o Bündnis für die Schutz der Deutschesprecher (Aliança para Defesa dos Germanófonos, direita populista e regionalista, que ficou com 8% dos votos), o Vlaams Blok (Bloco Flamengo, extrema-direita independentista, com 4%) e brancos/nulos (4%).

O Presidente do Conselho Administrativo (i.e., o Governo) cessante, Joseph Manuel Bruckhardt, já reconheceu a derrota, e desejou a Stijn van de Voorde a 'melhor das sortes' como seu sucessor, avisando, contudo, contra os perigos da 'destabilização do nosso equilíbrio de poderes' que 'já deu provas de que funciona bem' e também 'contra o radicalismo e o separatismo'.

van de Voorde, líder da coligação, que é membro do Partido Liberal-Democrata, agradeceu a uma multidão que se concentrou na Handelsplatz em Handelsburg. Primeiro notando que estava perante uma 'verdadeira multidão multilinguística' e que a sua campanha 'mobilizou germanófonos, flamengos, norssexianos, boganeses e colonos' para atingir um 'nobre objectivo político' - a Reforma Constitucional.

O putativo Presidente do Conselho Administrativo exige alterações profundas à Lei Fundamental de 1954, dizendo que a LCL é uma 'confederação assimétrica' considerando que, apesar de as diferentes cidades serem bastante autónomas e deterem bastantes competências, o Estado Confederal, no âmbito das suas (defesa, diplomacia, política macroeconómica, parcialmente finanças e política monetária), está refém de um arcaico sistema de votação que põe a grande parte das decisões nas mãos do Conselho dos Burgomestres, câmara alta do parlamento da Liga. Não só a Câmara dos Cidadãos, que representa a população proporcionalmente, tem poucas competências autónomas, tendo de entrar num processo de co-decisão com a Câmara dos Burgomestres, como dentro desta última, as 5 cidades germanófonas têm um maior poder de voto, resultado de vários compromissos históricos. Cada voto das 5 cidades germânicas vale 2 votos no Conselho dos Burgomestres, enquanto que os votos das 4 cidades flamengas e das 3 cidades de Norssex valem um. Mais escandaloso, diz van de Voorde, é o facto de a Boganhem, composto por inúmeras cidades, ter direito a um voto no Conselho dos Burgomestres e também o facto de cada colónia ter direito a um. Isto põe os Burgomestres germanófonos (a maioria do conservador FBB) em vantagem numérica, impedindo legislação votada por maioria na Câmara dos Cidadãos.


Stijn van de Voorde, o próximo Presidente do Conselho Administrativo

van de Voorde propõe uma 'simetrização e uma democratização do sistema' - cada cidade é representada pelo seu Burgomestre que tem um voto igual ao dos outros, e, também, grande parte das competências deveriam ser transferidas para a Câmara dos Cidadãos.

Assim, com a sua maioria qualificada de 69% na Câmara dos Cidadãos, van de Voorde pode dispor de um mecanismo previsto na Lei Fundamental que o possibilita de obrigar a Câmara dos Burgomestres a considerar reformas constitucionais. 'Eu sei que, numa CB ainda dominada pelos interesses do antigamente, vai ser difícil fazer passar esta reforma. Mas confio que, se o povo das Cidades Livres se juntar e exigir esta importante reforma, os Burgomestres, preocupados com os seus próprios resultados eleitorais, vão ceder e deixar passar esta reforma que deixará a Liga mais simétrica e mais democrática.', assim terminou van de Voorde o seu discurso.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Imprensa das Cidades Livres

Mensagem  Liga das Cidades Livres em Seg Out 07, 2013 6:24 pm


DeGarenmarkter Handelsblad

Nutig in Vlaanderen, Noodig in het Vrije Stede Verbond


Burgemeestersraadpresident Weigert Elke Grondwetswijziging 'Voor Nu'
Presidente do Conselho de Burgomestres Afasta Reforma Constitucional 'Por Agora'

Handelsburg

Após as eleições para a Câmara dos Cidadãos deste domingo, Karsten Schmidt, Presidente do Conselho dos Burgomestres (e, por inerência, Chefe de Estado da Liga das Cidades Livres), afastou qualquer hipótese de uma reforma constitucional 'por agora'. Schmidt, membro histórico dos conservadores germanófonos do FBB, afirmou que 'a reforma constitucional radical proposta por Stijn van de Voorde é bem intencionada, mas põe em causa o frágil equilíbrio institucional repetidamente conseguido desde o século XIII, que verteu no successo económico e político da Liga todos estes séculos'.

Afirmou ainda que essa desejada reforma constitui uma 'medida eleitoralista' e que faria com que o Conselho dos Burgomestres não representasse proporcionalmente a população da Liga: 'as cidades alemãs têm mais população do que as outras (...) concedo o facto, porém, de Garenmarkt, flamenga e Warmstrand, anglófona, poderem ter também direito a dois votos, considerando as suas populações. Quanto às outras, não chegando aos 5 milhões de habitantes, não seria justo terem os mesmos votos do que as 5 cidades alemãs'.


Karsten Schmidt, 79 anos, é Presidente do Conselho de Burgomestres desde 2004, sendo Burgomestre de Flensburg desde 2000

van de Voorde respondeu com indignação, lembrando Schmidt de que 'a Câmara dos Cidadãos já representa a população proporcionalmente, pelo que seria apenas natural, como acontece normalmente em sistemas federais/confederais, que a câmara alta, neste caso o Conselho dos Burgomestres, representasse as cidades, elementos constituintes da Liga, em pé de igualdade'. Além disso, o Presidente do Conselho Administrativo indigitado diz também 'não perceber os medos da elite germanófona', pois na reforma constitucional proposta, a Câmara dos Cidadãos reuniria a maior parte dos poderes legislativos e, daí, 'a grande população germanófona ficaria bem representada, em proporção com o resto da Liga'. Para van de Voorde, este receio apenas é fruto de um 'conservadorismo que não tem lugar numa Liga moderna' e já prometeu, caso o Conselho vete a reforma, que chamará todo o cidadão com 'algum sentido de decência e amor pela Democracia' para uma grande manifestação em Handelsburg.

O impasse político continua, mas o Garenmarkter Handelsblad espera que o novo PCA consiga levar avante esta corajosa reforma.


Assim, com a sua maioria qualificada de 69% na Câmara dos Cidadãos, van de Voorde pode dispor de um mecanismo previsto na Lei Fundamental que o possibilita de obrigar a Câmara dos Burgomestres a considerar reformas constitucionais. 'Eu sei que, numa CB ainda dominada pelos interesses do antigamente, vai ser difícil fazer passar esta reforma. Mas confio que, se o povo das Cidades Livres se juntar e exigir esta importante reforma, os Burgomestres, preocupados com os seus próprios resultados eleitorais, vão ceder e deixar passar esta reforma que deixará a Liga mais simétrica e mais democrática.', assim terminou van de Voorde o seu discurso.[/quote]

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Imprensa das Cidades Livres

Mensagem  Liga das Cidades Livres em Dom Out 13, 2013 8:29 pm

The Guardian
Unbiased and Independent News


Negotiations on the Composition of the General Administrative Council Seem Never-Ending
Negociações para a Composição do Conselho-Geral Administrativo Parecem Infindáveis



Uma semana após as eleições para a Câmara dos Cidadãos, a formação do CGA não está ainda decidida. O problema reside na heterogeneidade política da coligação vencedora, composta por liberais, socialistas e conservadores, por um lado, e por pró-regionalistas e pró-modelo actual (i.e., partidos que apoiam uma federação com base em regiões em vez de cidades, e vice-versa). O mais provável é que os partidos se agrupem por afiliação ideológica, mas isso impedirá qualquer maioria no Parlamento. Os três partidos liberais da coligação, o Partido Liberal, o Norssexer Interest e o Partido Ultramarino juntos conseguem 30% dos lugares na câmara dos Deputados e também os sociais democratas do PSDLCL e os sociais-nacionalistas separatistas do BSNU, juntos, apesar das diferenças ideológicas, fazem um núcelo de esquerda de cerca de 29%. O decisivo é os 20% dos partidos conservadores. Os democratas-cristãos, moderados, do VVU, partido regionalista flamengo e do BFF, conservador regionalista boganês podem ser a chave e, sendo certo e provável que, devido ao seu carácter mais moderado, uma coligação com o VVU com os liberais será possível. A questão é o BFF, que, possivelmente, detém a chave de todo o processo.

O líder do BFF, Rëner Reder, já veio anunciar publicamente que só aceita formar CGA se forem garantidos mais lugares no Conselho dos Burgomestres a Boganhem, tanto enquanto Província (ficando com três representantes) ou enquanto considerando as suas cidades individualmente (a proposta seria Malachor, Seeshloss e Vodenskove terem cada um representante). Com van de Voorde na Suécia e Karsten Schmidt a receber a Rainha de Krebesh, o processo de formação de CGA demorará ainda algum tempo. Entretanto, van de Voorde assumiu já a condução da política externa, com o antigo Presidente de CGA, Joseph M. Bruckhardt, em funções interinas dentro da Liga. O Presidente do CGA cessante e o eleito chegaram a esse acordo, considerando que a condução da política externa terá repercussões para o futuro e terá de ser uniforme nos próximos 4 anos.

Johnston já está em negociações com Reder, para incluir os conservadores boganeses no próximo CGA, mas a posição intransigente de Reder faz prever que não será tão cedo que o CGA se formará.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Imprensa das Cidades Livres

Mensagem  Liga das Cidades Livres em Seg Out 21, 2013 6:46 pm


Die Lübecker Zeitung

seit 1778, die besten Nachrichten im Freie Städte Bund!


Allgemeiner Verwaltungsrat mit einer Koalition aus Liberalen, Norssechsische liberal Regionalisten, pro-Kolonierechte Liberalen, flämischen Christdemokraten und boganische Konservativen gebildet
Formado o Conselho-Geral Administrativo, com uma Coligação de Liberais, Regionalistas Liberais Norssexianos, Liberais Pró-Direitos das Colónias, Democratas-Cristãos Flamengos e Conservadores Boganeses

Handelsburg

Após semanas de negociações, o Conselho dos Burgomestres convidou Stijn van de Voorde a formar Conselho-Geral Administrativo, após ter sido proclamada uma declaração solene que aumentará o número de representantes Boganeses no Conselho dos Burgomestres de 1 para 3, condição para que os conservadores Boganeses do BBP entrassem na coligação, assegurando maioria absoluta na Câmara dos Cidadãos.

A coligação parlamentar e governativa é formada pelos Liberais do PLD, pelos liberais regionalistas Norssexianos do Norssexer Interest Party, pelos liberais pró-direitos das colónias do Partido Ultramarino, pelos democratas-cristãos regionalistas flamengos do VVU e, peça chave na composição deste Governo, pelos conservadores autonomistas Boganeses do BBP, após o presidente deste último, Rëner Reder, ter conseguido pressionar o Conselho dos Burgomestres a aumentar o número de representantes da Província de Boganhem para 3.

van de Voorde, agora oficialmente Presidente do CGA, reagiu com agrado às notícias, tendo acompanhado as negociações de perto, apesar de estar em Estocolmo na Cimeira do Atlântico. Desde a Suécia, o novo Presidente enunciou os objectivos do seu CGA num pequeno comunicado:

"Com o auxílio da Câmara dos Representantes, onde o PLD, o NIP, o PU, o VVU e o BBP, têm maioria absoluta juntos, a Grande Reforma de Estado da Liga das Cidades Livres irá começar. Sabemos que, nessa matéria, contamos com o apoio dos sociais-democratas e dos sociais-nacionalistas Boganeses, e com a oposição da FBB e da BfSD. O que eu pretendo é passar as seguintes reformas constitucionais:
- Acabar com os privilégios das cidades fundadoras, que ficam com 1 voto cada uma no CB. Nesse cenário, Boganhem teria 2 votos por correcção proporcional e todas as outras cidades e províncias ultramarinas, estas últimas por terem populações reduzidas, teriam direito a 1 voto.

- Transferir grande parte das competências partilhadas entre a CB e a Câmara dos Cidadãos para esta última, considerando que ela é a verdadeira representante dos cidadãos da Liga, ficando o CB com poderes excepcionais e decisiórios em assuntos mais sensíveis, como a defesa e a política externa.

- Criar um ente confederal entre a Cidade e a Liga - a Comunidade Cultural. As Comunidade Culturais encompassariam as três áreas culturais na Liga metropolitana, nomeadamente identificadas por critérios linguísticos - germanófona, flamenga ou anglófona. Assim, passariam a existir três Comunidade Culturais que, nessas regiões, excerceriam competência sobre assuntos educacionais e culturais. Seriam essas três Comunidades a 'Grundstädteland' (terra das cidades fundadoras, região germanófona), a Flandres e Norssex. Boganhem e as Províncias Ultramarinas, ficariam, devido à sua homogeneidade linguística, com as mesmas competências sobre a educação e a cultura, que já têm.

- Promover a mudança de sistema de Governo em Boganhem, Schneeland, Oerwoudland e New Norssex, deixando as denominações 'Províncias' e passando a chamar-se 'República Livre de...', promovendo a aprovação de Constituições internas, um pouco como as Cartas das várias cidades."


Além da reforma constitucional, apoiada pelos partidos da esquerda, a coligação governativa de van de Voorde compromete-se a acabar com as restrições das Províncias Ultramarinas no que toca a comércio com os outros países, legalizar o casamento homossexual, discriminalizar as drogas leves, baixar os impostos confederais e dar mais autonomia às Cidades/Províncias de gerirem o seu rendimento e derrubar algumas excepções legais que permitem as Cidades/Províncias restringirem o comércio nas suas fronteiras.

O Presidente do Conselho-Geral Administrativo cessante, Joseph Manuel Bruckhardt já felicitou a formação do novo Governo, 'que ajuda a estabilizar a Liga', mas avisa contra 'grandes aventuras na reforma da Liga', que podem 'pôr em causa frágeis equilíbrios'.

Em poucos dias ficar-se-á a saber quais os Secretários de Estado escolhidos por van de Voorde.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Imprensa das Cidades Livres

Mensagem  Liga das Cidades Livres em Qua Out 30, 2013 1:07 am


Die Lübecker Zeitung

seit 1778, die besten Nachrichten im Freie Städte Bund!


Die Neue Allgemeiner Verwaltungsrat - die Namen und die Gesischte
O Novo Conselho-Geral Administrativo - os Nomes e as Caras

Handelsburg

Passadas umas semanas de negociações duras e aceitação do novo Conselho-Geral Administrativo pelo Conselho dos Burgomestres, o Presidente do CGA indigitado, Stijn van de Voorde, anunciou hoje a composição do dito Conselho. Numa clara ruptura com a tradição política da Liga, o novo CGA só inclui caras de membros dos partidos coligados que venceram as eleições e que assumiram o papel de constituir o máximo órgão executivo da Liga. Van de Voorde justificou essa ruptura como um 'imperativo político', pois a inclusão de, por exemplo, caras do FBB, partido conservador-liberal que representa a elite germanófona da Liga, 'entrari em rota de colisão com o seu programa'. Eis as caras:

Presidente do Conselho-Geral Administrativo
Stijn van de Voorde


Idade: 47
Naturalidade: Garenmarkt, Flandres
Partido: Partido Liberal Democrata


Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros
Henry Billingham


Idade: 43
Naturalidade: Shoreham-by-Sea, Norssex
Partido: Norssexer Interest

Secretário de Estado da Defesa
Rëner Rëder


Idade: 58
Naturalidade: Malachor, Boganhem
Partido: Boganishes Befrëeing Partë (Partido para a Libertação de Boganhem)


Secretário de Estado das Finanças e Mercado Interno
Frank Waelbroek


Idade: 50
Naturalidade: Eekhoutspoort, Flandres
Partido: Vlaams Volksunie (União Popular Flamenga)

Secretário de Estado da Concorrência
Hans Marsden


Idade: 45
Naturalidade: Handelsburg, Cidades Fundadoras
Partido: Partido Liberal Democrata

Secretário de Estado dos Assuntos Ultramarinos
Friedrich Anderssun


Idade: 49
Naturalidade: Boganstadt, Província Ultramarina de Schneeland
Partido: Partido Ultramarino


Secretária de Estado da Segurança Geral Interna
Caroline Wilson


Idade: 60
Naturalidade: Lancing, Norssex
Partido: Independente, mas associada ao Norssexer Interest

Secretária de Estado da Cooperação
Marie Koopmans


Idade: 61
Naturalidade: Ieper, Flandres
Partido: Vlaams Volksunie (União Popular Flamenga)

Como vemos, o CGA tem uma preponderância flamenga, se bem que, no quadro deste órgão executivo, a origem linguística não costuma ter peso. O PLD tem dois lugares, bem como a VVU, tendo sido os dois partidos mais votados da coligação. O NI, o BBP e o PU detêm um lugar, sendo que, devido ao terceiro lugar do Norssexer Interest, foi aceite uma Secretára de Estado Indpendente mas politicamente associada ao Partido; quanto à questão boganesa, uma das condições de entrada dos conservadores boganeses do BBP foi um segundo Secretário de Estado boganês. Como tal não era possível para manter o Partido Ultramarino no CGA, optou-se por Anderssun, meio-alemão, meio-boganês, nascido da Província Ultramarina de Schneeland.

O CGA tem duas mulheres e é maioritariamente jovem, com uma média de idades abaixo dos 50 anos. De fora ficam os germanófilos do FBB, os sociais-democratas, os sociais-nacionalistas boganeses, os nacionalistas alemães e os comunistas.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Imprensa das Cidades Livres

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum